Sábado, 29 de Maio de 2010

Tudo de menos bom ficou para trás

Ontem foi um dia que nunca poderei esquecer. Por mais de duas vezes quase que me fizeram chorar.

 

Quando acordei no meu primeiro dia em Salzburg... por momentos quase vacilei e pensei "E agora?", mas decidi respirar fundo e ir descobrir a cidade. Desde aí tenho respirado fundo muitas vezes e seguido em frente. Umas vezes desequilibro-me, quase caio mas volto a respirar fundo e a continuar. Tem sido um constante desafio. Viver sozinha... é bom. Ganhas o teu ritmo, a tua independência, a tua organização. Mas viver sozinha e depois não ter ninguém familiar à sua volta, aí está o desafio. Precisar de desabafar com alguém, abraçar alguém, rir com alguém, chorar com alguém... quando esse alguém não existe, esse é o maior desafio.

Mas passei todas as provas. Uns dias melhores, outros piores...mas deixei sempre os problemas em casa, ali fechados dentro da gaveta. Mesmo quando sentia alguma tristeza em relação a expectativas irreais que tinha criado em relação a amizades, mesmo quando sentia uma imensa necessidade de ter que falar a língua e não conseguir e por isso algumas vezes sentia-me um pouco de fora... Tudo isso ficou sempre para trás, aqui guardado no quarto e entre conversas skype com a família. Família, namorado, amigos...foram o meu diário com direito a resposta.

Disseram-me que devo ser mesmo uma pessoa resiliente, forte e corajosa... Ainda hoje não sei se lhe chamo isso. Gosto mais de pensar que fui corajosa do que ser uma pessoa forte. Forte só concordaria no sentido que sempre consegui deixar os problemas em casa e mal saía por aquela porta, sempre fiz um esforço por nunca tratar mal ninguém, ser simpática acima de tudo, e mesmo estando em baixo, chegar ao trabalho e desejar sempre bom dia a todos com um sorriso.

 

E porque raios vos tou a contar isto?

Porque ontem recebi a minha avaliação de estágio. (Sim, ainda falta mais ao menos um mês para me ir de vez para Portugal, mas o supervisor pediu uma avaliação intercalar do supervisor para ter mais suporte para decidir a nota final).

E a minha tutora quis que eu soubesse as notas que me tinha dado e as razões para tal escolha. Quando saí por aquela porta tremia... mas de felicidade por dentro. Porque sempre tive reconhecimento do meu trabalho. Mas ter acesso a esse reconhecimento em papel e verbalmente por parte da coordenadora. É extremamente gratificante.

E depois ter recebido igualmente os parabéns do meu supervisor, dizendo-me que já estava à espera desses resultados e que ficou muito satisfeito por de facto esses resultados se confirmarem...

 

Foi um dia cheio de emoções. Sinto-me preparada para enfrentar tudo agora. Sinto que cumpri o meu papel aqui... E agora é apenas aproveitar os "últimos cartuxos" enquanto posso... continuar a trabalhar cada dia o melhor que consigo, e regressar a Portugal a 2 de Julho com o sentimento de missão cumprida e venha a próxima! :)

 

Um beijo para todos

tags:
publicado por Botas às 09:53
link do post | comentar | favorito

No folclore europeu surgem recorrentemente umas botas mágicas que permitem a quem as use atravessar sete léguas de cada passo.

Nesta história, uma rapariga viaja de Portugal para Salzburgo, na Áustria, para iniciar a sua vida profissional. Calça assim um par de botas normais; a internet permite-lhe uma maior proximidade de casa.

São só 74 passos e meio de distância.

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
15
17
19
21
22
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Vienna então

. E assim foi Vienna

. E está confirmado

. Domingo em Innsbruck

. Como se não bastasse...

. What a terrible, terrible...

. Novo começo

. Sábias palavras

. Eu queria ser ninguém

. Vou-me fartar de ver azul...

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009